Share |

BLOCO LEVA à AM de SILVES SESSÃO SOLENE PARA o “DIA 25 DE ABRIL” na sessão em que a CONTA DE GERÊNCIA É REPROVADA

 

Permite antever a intenção da autarquia recorrer a mais um empréstimo bancário, para a pré campanha que se avizinha… perdão, para efectuar pagamentos de curto prazo a colectividades e fornecedores.

No passado dia 29 de Abril, realizou-se mais uma sessão ordinária da Assembleia Municipal de Silves. Decorreu na sede do Concelho, no salão nobre, da Câmara Municipal, pelas 21 horas. Enumeramos abaixo, de forma sintética, os aspectos mais relevantes da sessão:

1. No período da Audiência ao Público só intervieram dois munícipes, Francisco Reis da Associação de Pescadores de Armação e Paulo Reis da Associação Viver Serra. O primeiro levantando questões das relativas aos apoios de pesca dos pescadores, na praia de Armação e o segundo questionando quanto a um protocolo a estabelecer com a autarquia de Silves, para a limpeza dos matos na serra, questionando quanto à morosidade do assunto (aguardam desde 2004). As explicações que se seguiram, por parte da Presidente Isabel Soares, não foram muito esclarecedoras.

2. Seguiu-se o período de Antes da Ordem do Dia onde o BE apresentou 3 documentos e a CDU e o PS duas Moções (uma cada) ambas acerca do “25 de Abril”, evocando a dada, passada recentemente.

Pela nossa parte apresentámos dois Votos de Protesto (aos quais exigimos votação) um sobre o recente esvaziamento da Lagoa dos Salgados e outro sobre a chamada Municipalização da Reserva Ecológica Nacional. A primeira colheu a unanimidade do plenário e vai seguir também, para as entidades responsáveis pela área. A segunda foi rejeitada com os votos contrários de parte das bancadas do PSD e PS (duas abstenções em cada uma destas forças políticas). Foi das poucas vezes que vimos funcionar num plenário desta AM o Bloco Central. Foi curioso…sem explicações, nem discussão. Apesar de tudo foi um exemplo em como se pode fazer política “a sério” numa sessão da AM e pode observar-se o que as forças partidárias locais defendem sobre política autárquica.

Apresentámos ainda, uma Proposta para a realização pela AM de Silves (a partir do próximo ano) de sessão solene para o “Dia 25 de Abril”. Após algumas questões (bloqueios?) levantadas pelo PSD seguiu-se a votação, tendo sido aprovada por larga maioria de votos do BE, CDU e PS (este com uma abstenção, curiosamente do Presidente da AM) e a abstenção de 11 membros PSD e um voto contra. 

Trinta e quatro anos depois, na primeira composição da AM com o BE, a AM de Silves passará a evocar esta data. Curioso, também, num dos “Concelhos de Esquerda” do Algarve (CDU e PS já presidiram à autarquia por muito mais tempo que o PSD).

Esperamos que esta aprovação leve o espírito do “ 25 de Abril” à juventude Silvense, tal como é nossa intenção com esta Proposta.

3. Na Ordem do Dia o ponto alto da sessão foi a análise e votação da Conta de Gerência do ano transacto, da Câmara Municipal. Na discussão mantida foi realçado pela oposição o agravamento da situação financeira da autarquia, com o envidamento a elevar-se para limiares próximos dos máximos permitidos por lei. No que foi contrariada pela Presidente da Câmara, que realçou a margem de manobra que ainda dispõe antes de tal acontecer.

A comprovar (ou não!?) as dificuldades financeiras, que protelam de forma exagerada (por vários meses e até mais que um ano) os pagamentos da autarquia (de curto prazo) foi a necessidade desta contrair mais um empréstimo junto da banca. Na discussão deste assunto a Presidente Isabel Soares confirmou esta intenção.

Com a situação financeira existente (que não é nova, arrasta-se por este mandato) este empréstimo já deveria ter sido contraído há muito, evitando o sufoco que tem sido para muita gente (colectividades e fornecedores) o incumprimento dos pagamentos por parte da Câmara Municipal de Silves. A ser efectuado em véspera do próximo acto eleitoral autárquico não nos parece ético, “cheira a pré campanha eleitoral”, financiada com o dinheiro público.

Deverá ser o próximo executivo camarário a sanear financeiramente o Município, da asfixia financeira em que este o deixou. 

O Membro do BE, na AM de Silves

Carlos Alberto Alexandre Cabrita

 Silves, 11 de Maio de 2008